Follow by Email

Mais do que regras

Foto: Gislaine Bezerra
A vida é muito mais do que regras. Outro dia, estava eu vendo um concerto num teatro e fotografando às escondidas, pra variar (rs), quando recebi no celular a mensagem de um colega. Ele viu a cena em outra fileira, ao longe, e me escreveu: “Não pode fotografar aqui”. Apenas achei graça e prossegui “infringindo a lei”.

A situação só me inspirou a escrever sobre como algumas pessoas pararam num tempo onde predominam regrinhas e aprisionamentos. Ao invés de prestar atenção no maravilhoso concerto diante do qual estávamos, ele estava mais preocupado com o fato de eu estar fotografando, mesmo sem flash, mesmo em silêncio.

Cara! Algumas regras existem mesmo para serem quebradas. A atitude do meu colega apenas demonstra como estamos mais preocupados com coisinhas minúsculas, quando há tanta coisa mais importante. Ser feliz, por exemplo.

É lamentável saber que a nossa sociedade impôs ditames fajutos, onde os abraços sinceros foram trocados pelas tapinhas nas costas e os risos fingidos. As palavras verdadeiras foram substituídas até pelas calúnias, pela falsidade.

Ache ruim quem quiser, mas eu sou do tempo em que se ergue a bandeira da liberdade pela felicidade. Dos braços abertos, dos pulinhos de alegria, das conversas puras, do não ao ressentimento. Do “Deus te abençoe”, do ‘bom dia’ espontâneo, do chamar pelo nome. A vida é muito mais do que regras.

Não arrumo minha casa pelo medo de ser criticada. Arrumo pelo prazer de pisar num chão limpinho. Tocar a simples sequência de dó num violão velhinho, alisar o próprio corpo com um óleo no banho, inventar um prato, segurar a mão de um bebê que tenta puxar seus óculos a todo custo e, até mesmo, fotografar às escondidas. Ah! A vida tem tanta coisa pra gente curtir.

Busque não dar ouvidos a quem tenta te desestimular. A felicidade está nas coisas mais simples e, se você acredita, vá em frente. Não fique aí, mergulhado em regras. Não se preocupe demais. Confie sua vida ao Senhor Deus e siga sorrindo...

Um comentário:

  1. Anônimo23/11/11

    Aline, vi e achei de muita verdade no seu texto... Talvez eu pense assim, também... Sem mágoas, sem recentimento. E parabéns por escrever tão simples e profundo assim!!!
    Abs

    Zélia

    ResponderExcluir